Menu
urszula urszula, September 18, 2014

16 de Setembro de 2014-09-17

EU ME LEMBRO do primeiro dia em tomei conhecimento de que algo grande estava chegando para todos nós que buscamos uma oportunidade para nos manifestarmos, exigindo ações a respeito das mudanças climáticas. Estava conversando com um organizador da 350.org – um grupo co-fundado pelo autor e ambientalista Bill McKibben – e ele me olhou com a resignação de quem sabia que estava prestes a estar muito, muito ocupado.

Ele disse, “o Bill pensa que deveríamos criar a maior marcha climática da história.”

Eu percebi, então, que queria contribuir para tornar esse desejo realidade, através de um evento global de solidariedade que se tornou conhecido como “A Marcha Climática dos Povos”. A marcha acontecerá em Nova York no dia 21 de setembro.

Este evento global não se trata apenas de pessoas que vão se unir nas ruas de Nova York; é um pedido a cada ativista climático, em todos os cantos do mundo, para que coloque as botas no chão, marchando ao som das palavras “Ação climática já!”. Eventos de solidariedade têm florescido por todo o mundo neste fim de semana fundamental.

Em alguns destes locais, ação climática significa o fechamento de centrais elétricas movidas a carvão poluente e o investimento em energias renováveis. Aqui, na Costa Oeste, significa parar os planos para novos oleodutos de areia betuminosa, navios petroleiros e carregamentos de carvão.

Nós, em Vancouver, temos uma excelente oportunidade para desempenhar um papel neste assunto internacional.

Em um parque bem cuidado que abrange a fronteira Colúmbia Britânica-Washington, ergue-se um arco branco, construído para significar a relação pacífica e respeitosa entre o Canadá e os Estados Unidos. É um lugar único que permite aos residentes de ambos os países unirem-se sem ter que atravessar uma fronteira.

O Parque do Arco da Paz está construído no território tradicional do Semiahmoo First Nation, e situa-se no 49º paralelo. É ladeado por filas de carros aguardando que os inspectores fronteiriços aprovem a sua entrada no país vizinho. Estas filas são paralelas a uma linha de trem, programada para o transporte de quantidades crescentes de carvão poluente para os portos de Vancouver, destinados a centrais elétricas de carvão na Ásia. Em utras palavras, este lugar é feito sob medida para um comício climático gigante em solidariedade à Marcha Climática dos Povos em Nova York.

A ideia de acolher um grande encontro no Arco da Paz nasceu dos incríveis organizadores da 350 em Seattle. Nós do Wilderness Committee e da Georgia Strait Alliance agarramos a oportunidade para garantir envolvimento canadense. Nós nos untamos como parceiros, trazendo a nossa companha para Salvar o Mar de Salish, o corpo de água que corre pela nossa costa e que está prestes a tornar-se um corredor de carbono para carvão poluente e oleodutos de areia betuminosa. A campanha pretende construir uma barreira humana para enfrentar uma ofensiva da indústria dos combustíveis fósseis.

Aliados da First Nations, da iniciativa Protect the Sacred, também farão parte do evento no Arco da Paz, bem como membros da Semiahmoo First Nation, que oficialmente darão as boas-vindas à multidão.

Temos a oportunidade de criar uma linda cerimônia de solidariedade e amizade, aproximando um grupo diverso de agentes de mudança ansiosos por acabar com o ataque das exportações de combustíveis fósseis na região. Só no Mar de Salish, estas exportações poderão em breve chegar a mais de 300 milhões de toneladas de carbono por ano. É uma contribuição monstruosa para uma mudança climática descontrolada, e cinco vezes o que é oficialmente produzido em toda a província da Colúmbia Britânica. Não deixaremos que isso aconteça – não sob a nossa supervisão!

Sabemos que há alguma distância a percorrer para participar de um evento na fronteira, mas precisamos fazer esforço um para conseguirmos trazer mudanças. A crise climática não será resolvida pelos nosso “líderes” políticos até que lhes seja claro que há uma comunidade diversa e determinada que se uniu em torno do problema. Antecipando a marcha em Nova York no dia 21 de setembro, haverá também eventos de solidariedade em outros países, como na Austrália e na Índia, no dia 20 de setembro. Mais de 300 manifestaçãoes solidárias estão previstas só na América do Norte.

No Sábado, 20 de setembro, junta-se a nós no Arco da Paz. Precisamos da sua ajuda para comunicar de forma clara e única à indústria dos combustíveis fósseis e aos governos de todo o mundo: não vamos descansar. Não vamos permitir que o nosso lugar neste mundo se torne um tapete para a indústria do combustíveis fósseis, na sua tentativa de acelerar mudanças climáticas destrutivas. Lutaremos juntos, no dia 20 de setembro, e também em todos os dias depois disso.

Espero ver você lá!

Eoin Madden é um ativista climático do Wilderness Committee, com base em Vancouver.